Saiba Mais sobre a Infecção por Herpes Zoster e a Importância do seu Tratamento

herpes-zoster

A reativação do vírus varicela-zoster que permaneceu adormecido no organismo, muitas vezes por décadas após a exposição inicial do paciente ao vírus na forma de varicela, resulta em herpes zoster. Embora seja geralmente uma erupção na derme, de forma autolimitada com dor, pode ser muito mais grave. Além disso, os casos agudos frequentemente levam à neuralgia pós-herpética e são responsáveis ​​por significativa perda na qualidade de vida.

Com a leitura deste artigo, saiba mais sobre as consequências desta infecção e suas formas de tratamento.

A Infecção por Herpes Zoster

Como a reativação do vírus varicela-zoster está ligada a uma imunidade específica contra ele e mediada por células que apresentam sua quantidade diminuída com o avanço da idade, o herpes-zóster se desenvolve principalmente em pessoas idosas. Pacientes imunocomprometidos também correm maior risco de desenvolver a complicação.

As principais complicações do HZ incluem neuralgia pós-herpética e problemas oftálmicos, este último em casos de infecção oftálmica. A neuralgia pós-herpética é geralmente definida como dor na região envolvida da derme, geralmente 1 mês após o início da erupção cutânea.

Às vezes, no entanto, pode chegar a um período de 3 meses. Embora a neuralgia pós-herpética possa desaparecer após alguns meses, ela também pode evoluir para uma síndrome dolorosa persistente e duradoura.

Herpes Zoster – Apresentação Clínica

A manifestação do herpes zoster pode começar com uma resposta sistêmica (por exemplo, febre ou falta de apetite), embora os sintomas frequentemente sejam leves e possam não estar associados às manifestações clássicas da doença.

Os sintomas incluem tipicamente fenômenos sensoriais ao longo de uma ou mais regiões cutâneas com duração de 1 a 10 dias, que geralmente são observados como dor ou, menos comumente, prurido ou alterações da sensibilidade.

A dor é tipicamente descrita como de origem muscular ou semelhante à de um dente de gato, mas pode simular cefaleia, dor cardíaca, apendicite ou outra doença intra-abdominal ou ciática. Esta simulação pode resultar em diagnósticos provisórios incorretos; no entanto, a distribuição de lesões na pele geralmente ajuda a esclarecer o diagnóstico.

Acredita-se que o intervalo da dor antes do início dos achados cutâneos represente a disseminação das partículas do vírus varicela-zoster ao longo dos nervos sensoriais; no entanto, aproximadamente 10% dos pacientes relatam o início simultâneo de dor e erupção cutânea.

Herpes Zoster – Considerações sobre o Tratamento

Os episódios de herpes zoster são geralmente autolimitados e resolvidos sem intervenção. Existem terapias eficazes, que podem reduzir a extensão e a duração dos sintomas e, possivelmente, o risco de sequelas crônicas, por exemplo a neuralgia pós-herpética.

As escolhas terapêuticas geralmente dependem do estado imunológico do paciente e da apresentação do zoster. A terapia conservadora inclui medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides ou esteroides, analgésicos, anticonvulsivantes e agentes antivirais; curativos úmidos com 5% de acetato de alumínio (solução de Burow), aplicados por 30-60 minutos 4-6 vezes ao dia e loções (tais como calamina).

O tratamento é de grande benefício nas populações de pacientes com risco de sintomas prolongados ou graves, especificamente pessoas imunocomprometidas e pessoas com mais de 50 anos.

O zóster não complicado não requer internação. Pacientes com doença disseminada ou imunossupressão grave ou que não respondem à terapia, entretanto, devem ser transferidos para um nível mais elevado de cuidado.

O tratamento cirúrgico geralmente não é indicado, embora possa ser necessário tratar certas complicações (por exemplo, fasciite necrosante). A rizotomia (separação cirúrgica das fibras da dor) pode ser considerada em casos de dor extrema e intratável.

A vacina contra o vírus varicela-zoster é usada para fins preventivos, em pessoas suscetíveis que são expostas à varicela ou ao zóster.

Profissionais da Dermatologia recomendam fortemente o tratamento. Sem isso, muitas pessoas sentem dor, dormência, coceira e formigamento que podem durar meses – ou anos.

Dra Viviane CCampos

Você Sabe Quando Procurar um Dermatologista?

O dermatologista é o médico especialista no maior órgão do corpo humano: a pele. Além disto, ele também trata de todos os tecidos classificados como epiteliais: pelos, unhas, cabelos e mucosas. Veja neste artigo quando procurar um dermatologista para prevenir e tratar qualquer problema que possa afetar essas partes do corpo humano.
Dra Viviane CCampos
Compartilhe
Categories : Estética Infecções

Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada. O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.